O rock já morreu uma caralhada de vezes. E nos últimos meses, com o suicídio de dois ícones como Chris Cornell (Soundgarden, Audioslave) e Chester Bennington (Linkin Park), ficou ainda mais na nossa cara que resta pouco das bandas que moldaram nosso caráter em algum momento da vida. Não só a geração das décadas de 60, 70 e 80 – Rolling Stones, Aerosmith, Metallica – está dando seus últimos sopros de sobrevivência em cima dos palcos, como os derradeiros artistas que tiveram relevância no gênero também estão criando um abismo quase intransponível.

Continue lendo